Informativo Eletrônico Semanal CDMC


Coordenação de Documentação de Música Contemporânea, Pesquisa, Documentação e Informação Musical.

Regras para divulgação

Regras para divulgação no informativo semanal

Enviar a descrição resumida da divulgação no corpo do e-mail com as seguintes informações: data, horário, local do evento ou notícia e ao menos um link da internet para que os leitores possam saber a fonte da notícia. Envie somente temas que envolvem música, São aceitos: Concursos, chamadas, divulgações, festivais, notícias e concertos. Enviar a informação em texto simples (sem figuras, tabelas ou anexos) para o e-mail: fwciddic@unicamp.br

Atentar-se às datas limites da sua divulgação pois, o informativo semanal sai todas às quintas-feiras, necessitando que a solicitação de divulgação seja enviada no prazo máximo de 1 dia antes da divulgação do informativo (às quartas-feiras).

Para receber/cancelar o recebimento do FWD cdmc cadastre-se pelo link: www.listas.unicamp.br/mailman/listinfo/cdmusica-l



FESTIVAL: II FESMUVI – Festival de Música Virtual da UFMS e do CIDDIC/UNICAMP

Vem aí a segunda edição do Festival de Música Virtual (FESMUVI)!

Evento totalmente on-line e gratuito acontece entre 28 e 30 de abril

Tocar um instrumento, cantar, improvisar, editar partituras, pesquisar e até ensinar. Essas e tantas outras atividades fazem parte do dia a dia de músicos profissionais, e é através delas que a música continua a ser transmitida para todos que buscam uma nova profissão, novas experiências emocionais ou sensoriais, um novo hobby ou, de acordo com a ciência, uma forma de aumentar suas conexões neurais. Sim, está provado que aprender música nos torna mais inteligentes e combate a depressão.

Tendo como pano de fundo o contexto solitário trazido por conta da pandemia e conhecendo o poder transformador dos diversos benefícios da música para a sociedade, o Centro de Integração, Documentação e Difusão Cultural (CIDDIC) da UNICAMP e a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) visam compartilhar curiosidades, pesquisas, workshops de instrumentos musicais e concertos virtuais na segunda edição do FESMUVI, o Festival de Música Virtual, evento que acontece entre os dias 28 a 30 de abril com transmissão ao vivo e gratuita via YouTube e Zoom.

O Festival irá abordar o fazer musical e as diferentes carreiras da área da música através de 15 workshops e 5 palestras-conversas realizadas por professores universitários, pesquisadores e músicos profissionais. Todas as atividades serão gratuitas, com participação garantida através das inscrições no site do evento.

Dentro da programação dos workshops os alunos poderão se inscrever em aulas de regência, composição, violão, violino, violoncelo, contrabaixo, trompa, trombone, flauta, clarinete, oboé, fagote e percussão, além de uma aula sobre o método Willems de educação musical.

As palestras, que irão acontecer em forma de entrevistas e bate-papos, visam revelar os caminhos da profissão coral no Brasil e as diferentes ideias sobre a improvisação musical, além de abordarem a importante tarefa do editor musical e do musicólogo, profissionais que resgatam músicas, tradições e personagens de outra época e localidade para transmitirem aos intérpretes e ao público do presente.

O II Festival de Música Virtual aproveita a oportunidade para convidar alunos e professores para um recital virtual. O objetivo da ação é a divulgação do trabalho de voluntários, além de oferecer uma forma diferente de confraternização.

INSCRIÇÕES EM: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdY3N0H72CdMwTPruaALXjgN2EjhlGF2i4YyWx6akTln12HXA/viewform

Veja a programação completa em: https://www.ciddic.unicamp.br/ciddic/ii-fesmuvi-festival-de-musica-virtual-da-ufms-e-do-ciddic-unicamp/


Î Voltar ao topo

CONCERTO: Opereta “A Peste” ganha primeira montagem, com transmissão de Niterói, de 28 a 30 de março

Inspirada na pandemia mundial do coronavírus, obra composta por Cyro Delvizio, cantada em Português e acessível a todos os públicos, será encenada no palco do Teatro Popular Oscar Niemeyer e transmitida online em seis sessões

Produzida durante a pandemia da Covid-19 que assolou a humanidade ao longo de 2020 – e que ainda nos acomete quase um ano desde sua eclosão no Brasil – a opereta “A Peste”, escrita com música e libreto de Cyro Delvizio, um dos mais destacados violonistas, compositores e pesquisadores de sua geração, irá ganhar sua primeira montagem em palco, com estreia confirmada em seis sessões de 28 a 30 de março,  às 18h e 21h, em Niterói, no Teatro Popular Oscar Niemeyer. No ano passado, por conta do rigoroso distanciamento social que uma doença desconhecida impôs ao convívio social, a peça foi lançada em duas partes no YouTube, quando, por iniciativa própria, seis músicos (três cantores e três instrumentistas) se uniram fazer uma montagem completamente remota de uma opereta inédita, cantada em português e com linguagem e estética acessíveis ao grande público. Com realização do Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc, a ópera, agora, será encenada em palco, sem a presença do público, com transmissão online e contribuição voluntária (os ingressos variam entre R$0, R$5,00 e R$10,00, e poderão ser adquiridos através do site da Sympla). Previamente às sessões, haverá uma breve explicação do compositor sobre a obra, que, no final, também estará disponível no chat para conversar com os espectadores. Posteriormente, a opereta “A Peste” será divulgada exclusivamente nas redes sociais do projeto.

Reunindo no palco além do próprio Cyro Delvizio (violão), a soprano Manuelai Camargo, o tenor Guilherme Moreira, David Monteiro (narrador e baixo-voz), a flautista Clarissa Bomfim e o violoncelista Paulo Santoro, a narrativa traça paralelos com o momento atual da humanidade, porém ambientada na Síria. Um Príncipe está retornando a Damasco após viagem diplomática, cantando sobre sua futura glória quando for coroado Sultão. Porém, logo enfrentará um grande dilema: após dar carona a uma velha senhora, ele descobre que ela é a Peste em pessoa justamente quando chegam aos portões de Damasco. A partir daí, o Príncipe se vê dividido entre seu instinto de autoproteção e seu sonho de ser o futuro Sultão, refletindo também sobre sua consideração por seu povo e sua cidade.

Inspirada na pandemia do coronavírus ainda vigente, o músico e compositor Cyro Delvizio realizou esforço pessoal não só para concretizar essa “transposição” entre as diferentes épocas, mas para criar uma obra metalinguística que fomentasse reflexões sobre este difícil e singular momento da civilização, atentasse para o zelo sanitário e ainda aproximasse o público leigo da ópera ao tratar de um tema atual e afeito a sua realidade: “em 2020, a montagem on-line autoproduzida –  também graças a vaquinha virtual –  foi pensada inicialmente para esta realidade remota e um pouco para colocar para fora os meus sentimentos durante o isolamento”, aponta Cyro Delvízio. “Agora, com o apoio da Lei Aldir Blanc, conseguiremos não somente colocar a opereta em palco, mas fazer isso com toda a segurança que o momento exige: a equipe enxuta, poucos ensaios, curta duração do espetáculo (45 minutos) e teatro espaços. Até o palco grande propiciará o distanciamento dos físicos dos músicos e cantores, que também farão testes de COVID. Temos que nos reinventar e até reinventar o processo habitual de uma montagem desse tipo, com a responsabilidade de mostrar que é possível um retorno gradual de espetáculos como o nosso, mantendo a segurança em primeiro lugar”, conclui.

SERVIÇO:

OPERETA “A PESTE” – TRANSMISSÃO ON LINE EM 6 SESSÕES

Local: Teatro Popular Oscar Niemeyer – Niterói/RJ
DIAS 28 (domingo), 29 (segunda) e 30/03 (terça)
HORÁRIO: às 18h e 21h de cada dia
Informações: Facebook/operetaapeste   /   Instagram @operetaapeste
Duração do espetáculo: 45 min
Classificação 12 anos

INGRESSOS: https://linktr.ee/operetaapeste
Os ingressos serão comercializados com os seguintes valores:
R$0,00 / R$5,00 / R$10,00. A contribuição é voluntária. 

FICHA TÉCNICA – A PESTE

Concepção e Compositor: Cyro Delvizio
Direção Artística e Musical: Cyro Delvizio
Direção Geral e de Arte: Joana Lebreiro e Brunna Napoleão
Figurinista e Cenógrafa: Marieta Spada

Intérpretes

A Peste (soprano): Manuelai Camargo
Príncipe (tenor): Guilherme Moreira
Narrador e Sultão (baixo): David Monteiro
Flauta: Clarissa Bomfim
Violoncelo: Paulo Santoro
Violão: Cyro Delvizio


Fábio Cezanne
Cezanne Comunicação – Assessoria de Imprensa em Cultura e Arte
21-99197-7465 / 21-3439-0145
www.cezannecomunicacao.com.br


Î Voltar ao topo

CHAMADA: Revista Vórtex

Número Temático “O violão em pauta: perspectivas atuais entrecortando passados, presentes e futuros” (em português, inglês ou espanhol)
Coordenador convidado: Dr. Humberto Amorim (UFRJ)
Prazo de submissão: 01/09/2020
http://vortex.unespar.edu.br/call_v8_n3.pdf

Dossiê “A quarter of century of Pd: past, present and future” (em inglês)
Coordenador convidado: Dr. Alexandre T. Porres.
Prazo de submissão: 01/06/2021
http://vortex.unespar.edu.br/call_v9_n2a.pdf

Dossiê “Creative practices in Sound Art” (em inglês)
Coordenador convidado: Dr. Clayton Mamedes (UFPR)
Prazo de submissão: 01/06/2021
http://vortex.unespar.edu.br/call_v9_n2b.pdf

Site: http://vortex.unespar.edu.br/


Î Voltar ao topo

CHAMADA: Apresentações Artísticas no SIMCAM 15

O Simpósio Internacional de Cognição e Artes Musicais (SIMCAM) é um evento bienal promovido pela Associação Brasileira de Cognição e Artes Musicais (ABCM) e realizado em parceria com instituições científicas. Em 2021, a 15ª edição do SIMCAM ocorrerá de 25 a 28 de maio e será organizada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul. Este será um fórum multidisciplinar dedicado a amplo espectro de discussões de questões científicas relevantes ao estudo dos processos cognitivos relacionados à música. Os idiomas oficiais serão o português, o inglês e o espanhol.

Em sua 15ª edição, em função da situação epidemiológica do momento, o simpósio ocorrerá de forma totalmente a distância, em formato on-line, porém com suas atividades transmitidas pelos canais disponibilizados pela organização do evento.

O prazo final para o envio de propostas de apresentação artística é 18/04/2021

Informações na página: https://abcogmus.org/2021/01/08/simcam-15/


Î Voltar ao topo

CHAMADA: Inscrições para o Processo Seletivo a Distância para Aluno Regular dos cursos de Mestrado e Doutorado em Música do Programa de Pós Graduação em Música – PPGMUS/UDESC (Florianópolis, SC)

Inscrições para o Processo Seletivo a Distância para Aluno Regular dos cursos de Mestrado e Doutorado em Música do Programa de Pós Graduação em Música – PPGMUS/UDESC (Florianópolis, SC)

Inscrições: 2 de março a 10 de abril de 2021.  Informações aqui:  Programa de Pós-Graduação em Música (udesc.br)


Î Voltar ao topo

CHAMADA: 6º Congresso Brasileiro de Iconografia Musical – Chamada aberta até 31 de março 2021.

A Comissão Organizadora do 6º Congresso Brasileiro de Iconografia Musical vem aqui lembrar aos interessados que a chamada continua aberta ATÉ 31 DE MARÇO 2021.

As propostas (inéditas e inseridas em alguma das linhas descritas abaixo) podem ser escritas em Espanhol ou Português e devem ser enviadas na forma de resumo (entre 300 e 500 palavras) pelo sistema de submissão online.
O formulário de submissão online de propostas pode ser encontrado no seguinte link: http://www.portaleventos.mus.ufba.br/index.php/CBIM_RIdIM-BR/6cbim2021

Nesta edição do evento (que, em virtude da pandemia de COVID-19 que vivemos, será realizado de 23 a 26 de agosto de 2021 em modalidade virtual), sob a temática “IMAGEM, MÚSICA, AÇÃO: Iconografia da cultura musical e(m) seus espaços de apresentação / representação” pretende-se provocar uma série de debates e intercâmbios acadêmicos e profissionais em torno das seguintes linhas temáticas:

Linha 1: Iconografia Musical enquanto objeto de pesquisa: abordagens ontológicas, epistemológicas, teóricas, práticas, metodológicas, processuais, patrimoniais, técnicas e/ou informacionais;
Linha 2: Fronteiras e desafios transversais da iconografia musical na cultura artística e musical, canônica ou tradicional;
Linha 3: Iconografia Musical: criação, produção, circulação, recepção nas tradições culturais e/ou culturas tradicionais;
Linha 4: Transversalidades na iconografia musical relativa às diversas tradições cênicas;
Linha 5: Fontes visuais relativas à música e sua informação nas diversas tradições culturais cênicas;
Linha 6: Desafios patrimoniais, museológicos, técnicos, tecnológicos, culturais e éticos em torno da iconografia na cultura geral, artística e/ou musical.

O tema escolhido para esta sexta edição do CBIM está centrado no ato de apresentar e suas múltiplas possibilidades de representação no domínio da cultura musical e visual. Uma das maneiras de encarar-se a música é como uma ação performática que acontece nos mais diversos tipos de espaço: público, privado, religioso, teatral, íntimo, social, etc. Os distintos significados associados a esse acontecimento nos diferentes espaços podem multiplicar-se e trazem, para os estudos de iconografia musical, novos desafios e abordagens. Se o decoro de lugar já era uma dos requisitos essenciais na retórica – e também na retórica musical, as relações entre o fazer musical, o espaço em que este fazer acontece, e as transformações ocasionadas em ambos tornam-se um campo rico a ser explorado. Somem-se a isso as várias discussões sobre representação e documentação, que vêm tornar a questão ainda mais complexa. Assim, a proposta deste CBIM é instigar a reflexão sobre esses assuntos, nos mais variados campos de conhecimento.

Mais info em: http://www.ridim-br.mus.ufba.br/6cbim2021/

 


Î Voltar ao topo

CONCURSO: VIII Concurso de composição da Fundação Franz Liszt – Chamada para inscrições

Aberto a compositores de música de todos os países, sem limite de idade, o concurso selecionará obras para piano solo, piano a 4 mãos, duo com piano (com qualquer instrumento, canto, exceto 2 pianos) que forem enviadas ao endereço e-mail concourscomposition@fondation-franzliszt.org até 31 de Maio de 2021.

A partitura em formato pdf é necessária; além disso, os compositores também têm a opção de enviar gravações de vídeo. O envio da partitura ou da gravação em vídeo implica a aceitação deste regulamento e autorização para a divulgação da obra inscrita.

Cada compositor poderá inscrever até três peças, cuja duração aproximada deve estar entre 2 e 7 minutos cada, registrando-se no site da FFL através do pagamento da taxa única de 55 € diretamente on-line ou por transferência bancária para

La Banque Postale – C.N. 1097686D037 Fondation Franz Liszt- BIC PSSTFRPPTOU

IBAN FR45 2004 1010 1610 9768 6D03 742 ou ainda do equivalente em Reais para a

conta do Banco do Brasil 39460-2, ag. 6511-0, cpf 75306220800.

O júri, formado pelo Conselho da FFL, selecionará nove semifinalistas e em seguida três obras que serão executadas em concerto da Festa del Paradiso em Turim – Itália, em setembro de 2021. Todos os semifinalistas receberão certificado.

O júri poderá atribuir Menções especiais. Os compositores terão a oportunidade de se apresentar executando eles próprios suas composições classificadas; em caso de renúncia a esse direito, de acordo com a necessidade os intérpretes serão escolhidos dentre os músicos convidados para o festival. A apreciação do público vai decidir qual das três peças finalistas receberá o Prêmio da Fundação Franz Liszt 2021.

As três peças finalistas serão gravadas, suas apresentações filmadas e transmitidas pelo Canal Youtube da FFL; se os compositores finalistas assim o desejarem, suas partituras podem ser publicadas online ou em edição impressa pela FFL; além disso elas poderão ser apresentadas no âmbito de outros eventos que a FFL realiza em vários países.

http://www.fondation-franzliszt.org/


Î Voltar ao topo

DIVULGAÇÃO: Maria Rita Stumpf lança álbum Inkiri Om em show com transmissões online através da Lei Aldir Blanc

Inkiri “o amor em mim saúda o amor em ti”-  língua de povo indígena do sul da Bahia Om, o mais importante mantra do hinduísmo, criador de todos os sons.

Em abril, a compositora e cantora Maria Rita Stumpf lança seu terceiro álbum em formato de vídeo, no show Somos Um com a participação de Paulo Santos (Uaktí) e Michelle Abu na percussão, Matheus Câmara – conhecido por seu projeto eletrônico como Entropia Entalpia –na guitarra, baixo e programações, Mayra Viner no violoncelo e Felipe Faraco nos teclados e baixo. A filmagem foi realizada no Estúdio dos Lagos, dirigida e editada por Dennis Phillipps. Na exibição será lançado ainda um clipe inédito do fotógrafo colombiano Daniel Ronderos para o Hai Kai das Borboletas. As transmissões foram viabilizadas através da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (Lei 14.017/20 do Governo Federal).

As transmissões serão gratuitas.

As transmissões serão gratuitas.

15 de abril, quinta-feira, às 21h – Musicnonstop/FB

facebook.com/musicnonstopweb/

16 de abril, sexta-feira, às 21h – Teatro Alfa YouTube/FB

youtube.com/teatro alfa e facebook.com/teatroalfa

17 de abril, sábado, às 21h – Centro Cultural Olido/FB e Musicnonstop/YouTube

facebook.com/centroculturalolido/ e youtube.com/c/ClaudiaAssef

22 de abril, quinta-feira, às 21h – Teatro Alfa YouTube/FB

youtube.com/teatro alfa e https://pt-br.facebook.com/teatroalfa

24 de abril, sábado, às 21h – Maria Rita Stumpf e Antares SP/ FB e YouTube

facebook.com/mariaritastumpf/  youtube.com/mariaritastumpf

facebook.com/antarespromocoes youtube.com/antarespromocoestv

O show Somos Um apresenta dez músicas do álbum Inkiri Om entre composições de Maria Rita Stumpf e outros autores como Taiguara, Evandro Mesquita e Vinícius Cantuária, Nelson Ângelo e Fernando Brant, a chilena Violeta Parra e o gaúcho Nando D´vila. Traz ainda participações especiais de músicos que gravaram o álbum em estúdio. Dona Bahia traz poema de Gregório de Matos, o Boca do Inferno, que viveu no século XVII. Todas as letras estão na página do álbum no site da artista http://www.mariaritastumpf.com/

Inkiri Om foi lançado digitalmente em maio de 2020, em plena pandemia, com boa repercussão na mídia nacional e internacional. Em 2021 surge em formato de show online nesse momento de urgente necessidade de proteção aos povos indígenas e preservação do meio ambiente e valorização de temas humanistas, que permeiam o álbum.

“A essência humana é uma só, seja no Xingu ou em Manhattan”, define Maria Rita. “E a essência está na origem. Por não respeitarmos a origem estamos caminhando para nossa extinção como raça. Não à toa a capa do disco (desenvolvida pelo designer Juliano de Oliveira Moraes, a partir de pintura de Julio Saraiva e seleção da obra de Miguel Gontijo) traz o oroboro, figura mitológica que está em várias culturas e na minha vida”.

Participações Especiais

As seis transmissões previstas no Edital do PROAC LAB trazem participações de músicos exponenciais que participaram da gravação de Inkiri Om. Paulo Santos e Matheus Câmara em improviso gravado no Estúdio dos Lagos. Lui Coimbra, Jovi Joviniano e Marcos Suzano, além de Danilo Andrade e Kassin Kamal, todos desde suas casas ou estúdios.

Repertório Somos Um

Canção das Horas –  Maria Rita Stumpf
Somos Todos Índios –  Vinícius Cantuária e Evandro Mesquita
Sete Cenas de Imyra – Taiguara
Hai Kai das Borboletas –  Maria Rita Stumpf e Zé Caradipia
Participação Especial de Músicos Convidados
Água Benta –  Nando D´Ávila
Aavoth – Maria Rita Stumpf sobre tema tradicional
RunRun se fué pal Norte –  Violeta Parra
Dona Bahia – Maria Rita Stumpf (poema de Gregório de Matos)
Canoa Canoa – Nelson Ângelo e Fernando Brant
Cântico Brasileiro No 7 (Inkiri Om) –  Maria Rita Stumpf

Lançamento Documentário Inkiri Om

No dia 1º de Maio, sábado, 21h, será lançado no canal do YouTube e FB da artista e da Antares SP, e nos canais do Fábricas de Cultura – Poiesis  o documentário Inkiri Om que conta a história da gravação do álbum. Entrevistas com músicos, arranjadores, além de registros audiovisuais da gravação no Estúdio Aprazível e depoimentos do jornalista e crítico de música Leonardo Lichote e do maestro Gil Jardim costuram a narrativa e descrevem o processo criativo e de execução. Dirigido e editado por Ana Clara Salomão, Matheus Câmara e Maria Rita Stumpf, o documentário foi realizado com apoio da Lei Aldir Blanc através do PROAC LAB da Secretaria Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Canais de transmissão:
facebook.com/fabricasdecultura

facebook.com/mariaritastumpf/  youtube.com/mariaritastumpf

facebook.com/antarespromocoes youtube.com/antarespromocoes

Maria Rita Stumpf

Gaúcha, dos Aparados da Serra, paisagem natural emblemática, Maria Rita Stumpf começou a escrever e compor aos 14 anos. Apresentou sua composição Cântico Brasileiro nº 3 em festivais no Rio Grande do Sul e essa veio a tornar-se mundialmente conhecida através de DJs e colecionadores de vinil, trazendo Maria Rita Stumpf de volta aos palcos e estúdio após 27 anos afastada. Em 1988 lançou o LP Brasileira, relançado em 2017 mundialmente, além de um single dedicado aos DJs. Antes disso havia lançado Mapa das Nuvens, em 1993, quando decidiu afastar-se dos palcos e seguiu carreira como empresária cultural com a Antares Promoções, sua empresa produtora. De lá para cá apresentou-se em festivais como Kino Beat, Dekmantel e Women´s Music Event. Vive em São Paulo desde 2016.

Ficha Técnica

Show Somos Um
Voz: Maria Rita Stumpf
Percussão e Efeitos: Paulo Santos (Uaktí)
Guitarra, Baixo, Programações, Sintetizador, Voz: Matheus Câmara (Entropia Entalpia)
Violoncelo: Mayra Viner
Percussão, Bateria e Voz: Michelle Abu
Teclados e Baixo: Felipe Faraco
Gravado no Estúdio dos Lagos
Direção e edição Dennis Phillipps – www.coresesons.com.br

Redes Maria Rita Stumpf

Spotify:https://spoti.fi/2SAHssd
YouTube: https://bit.ly/2xqQaSB
Site: www.mariaritastumpf.com
@mariaritastumpf
facebook.com/mariaritastumpf/

Assessoria de Imprensa
Miriam Bemelmans
(miriam@bemelmans.com.br)
(11) 3034-4997 e (11) 9 9969-0416
http://www.bemelmans.com.br
Facebook: @bemelmanscomunica
Instagram: @mbemel

 


Î Voltar ao topo